Publicações
Boletim Municipal nº37
Notícias

Bombeiros de Celorico de Basto celebraram 94 anos de existência

19-08-2020

15 de agosto é a data de aniversário dos Bombeiros Voluntários Celoricenses

Momento de celebração foi marcado pela entrega de grande número de distinções honoríficas aos bombeiros da corporação. Um momento emotivo para bombeiros, familiares e amigos.

“Homens que estão sempre na linha da frente, homens voluntários por opção e profissionais na ação, dignos do máximo respeito e atenção por parte de todas as entidades com poder de decisão” como salientou o Comandante desta corporação, Fernando Gomes.

O presidente da Direção apelou a “mais e melhores regalias sociais para os bombeiros”

As comemorações deste 94ºaniversário contaram ainda com uma sessão solene, no cineteatro dos BVC, com diversas individualidades convidadas, para a atribuição de medalhas de Assiduidade a diversos elementos que integram os Corpos Sociais da Associação Humanitária, distinções honoríficas da Liga dos Bombeiros Portugueses.

O ponto alto destas distinções honoríficas vinculou-se com a atribuição de três colares de Valor e Mérito a individualidades que se destacaram pela forma benemérita como têm, ao longo dos anos, brindado esta Associação, sendo eles o Presidente da Câmara Municipal de Celorico de Basto, Joaquim Mota e Silva, o Presidente da AHBVC, Fernando Freitas, e ainda Carlos Henrique Azevedo Vieira de Castro, sócio benemérito da Associação.

Durante o discurso protocolar, o Presidente da Câmara Municipal de Celorico de Basto, Joaquim Mota e Silva, não pode deixar de salientar a importância de valorizar todos aqueles que fizeram e continuam a fazer o melhor para que a Associação desempenhe as suas funções com o máximo brio e disponibilidade. “ Temos que dar valor à história e valorizar tudo o que foi feito ao longo destes 94 anos, com muitas coisas positivas e boas impulsionadas por muitas pessoas que deram o seu melhor, bombeiros e bombeiras, corpos sociais e comunidade que soube e sabe dar o seu contributo. Neste contexto de agradecimento, não posso deixar de salientar o Comandante Marinho Gomes, que representou e representará sempre a vontade, o querer, a dedicação de servir o próximo, numa entrega total à causa humanitária” recordar que o Comandante António Manuel Marinho Gomes faleceu em setembro último e deixou uma marca incontornável de dedicação a esta corporação. O autarca manifestou ainda uma palavra de apreço ao Presidente da Direção, Fernando Freitas, que cessa funções no final de 2020. “Quero também dar uma palavra de apreço ao Presidente da Direção, meu caro amigo, Fernando Freitas, pela sua grande capacidade de levar adiante esta empreitada que é gerir esta Associação Humanitária, e não posso deixar de salientar o meu reconhecimento pessoal e da comunidade pelos anos de dedicação, um homem empenhado, com visão, reivindicativo no melhor sentido da palavra, porque o que pede não é para os bombeiros mas para que os bombeiros e os corpos sociais possam servir nas melhores condições, com toda a disponibilidade e profissionalismo, as pessoas, 24h sobre 24h. O que eu peço é que quem o venha a suceder tenha também este espirito de missão e esta visão renovada ano após ano de acordo com os tempos e as necessidades.”. O autarca concluiu o seu discurso afirmando que, mesmo estando também na reta final do seu mandato à frente da autarquia acredita que “ainda é possível fazer algo que acrescente aquilo que já foi feito, projetos que nunca estarão terminados, havendo sempre o que fazer na causa humanitária”.

Efetivamente, e antecedendo o discurso do Presidente da Câmara Municipal, o presidente da Direção já tinha demonstrado, de forma efusiva e convicta, o seu espirito reivindicativo solicitando ao autarca alguns desejos que gostariam de ver concretizados. “No âmbito do Corpo dos bombeiros defendo mais e melhores regalias sociais para os bombeiros e uma união abrangente, apelando à Câmara Municipal de Celorico de Basto a criação do Regulamento de concessão de Regalias aos Bombeiros Voluntários de Celorico de Basto, à imagem do que tem sido feito em inúmeros Municípios deste país. Por outro lado, sendo reivindicações antigas, não quero deixar de expressar a minha mágoa por terminar o meu mandato e não ver criado um Monumento ao Bombeiro numa praça pública deste Município e, por outro lado, na toponímia da sede do concelho não ter uma rua ou avenida com a denominação de “Bombeiros Voluntários Celoricenses” e o Memorial no Cemitério de Britelo, para não deixar cair no esquecimento os homens, bombeiros falecidos em serviço, José Ferreira da Mota, Artur da Silva Pereira e Rui Miguel Monteiro Marinho Mesquita”. O presidente pediu ainda a criação de “uma Unidade Local de Formação de Bombeiros, que permita responder com maior eficácia no âmbito das operações de proteção civil”.

Fernando Freitas lembrou todos os homens que em 1926 conseguiram erguer a Associação Humanitária Celoricense, “uma memória coletiva de homens de boa vontade, que devem ser recordados e merecedores do nosso carinho e respeito, que criaram uma Associação para servir a comunidade”. Uma associação “cada vez mais indispensável que serve a população com verdadeiro espirito de trabalho e sacrifício, independentemente das circunstâncias vividas”. E nesse sentido uma palavra de apreço a todos os bombeiros que hoje receberem as distinções honoríficas, distinções simbólicas que visam valorizar quem tudo dá a esta corporação”.

O Presidente da Direção além dos desejos que gostaria de ver cumpridos, agradeceu ao Presidente da Autarquia todos os apoios que sempre atribuiu à Associação Humanitária contribuindo para o bom funcionamento da mesma. Agradeceu também a individualidades presentes e ausentes pelo altruísmo com que brindaram e brindam os bombeiros, verdadeiros mecenas, que contribuíram e contribuem para que os bombeiros e os corpos sociais possam desempenhar as suas funções nas melhores condições.

Fernando Freitas demonstrou ainda alguma indignação face à forma como os bombeiros estão a ser tratados durante este período especialmente difícil. “Não posso deixar de demonstra a minha indignação e mágoa face à forma como o governo, durante este período particularmente difícil, tratou os bombeiros, um tratamento pautado pela indiferença e falta de sensibilidade junto de uma entidade merecedora de todo o respeito”.

Quase a finalizar, Fernando Freitas lembrou e homenageou o comandante Marinho Gomes, “um homem simples e determinado que ao longo de mais de 42 anos serviu os nossos bombeiros, o nosso saudoso comandante Marinho Gomes será sempre lembrado e continuará entre nós como uma estrela que nos guia”.

A sessão solene contou ainda com a atribuição de dois crachás de ouro da Liga dos Bombeiros Portugueses ao atual comandante, Fernando António Marinho Gomes, e ao Vice-presidente da Direção da AHBVC, Casimiro Manuel Campos Magalhães Costa.

Uma sessão que contou com a presença de várias individualidades, além dos anteriormente mencionados, refira-se o Presidente da Assembleia Geral dos Bombeiros Voluntários Celoricenses, José Marcelino Mota, o Comandante Operacional Distrital de Braga, Hermenegildo Abreu, o Vice-presidente do Conselho Executivo da Liga dos Bombeiros Portugueses, Comandante José Luís Morais e o presidente da Federação dos Bombeiros do Distrito de Braga, Jorge Agostinho Machado além das muitas individualidades presentes nesta sessão solene dos 94 anos da fundação dos Bombeiros Voluntários Celoricenses.

 

Município de Celorico de Basto 2020 - Todos os direitos reservados

Esta página é cofinanciada por...

Desenvolvido por